Inspectores da ANIESA detidos por crimes de “extorsão” e “corrupção activa”

O Serviço de Investigação Criminal – numa operação em conjunta com a Inspecção Geral da Administração do Estado (IGAE) – deteve esta segunda-feira, 25 de Janeiro, em Luanda, dois inspectores da Autoridade Nacional de Inspecção Económica e Segurança Alimentar (ANIESA), nomeadamente, Maria António Diogo Luís e Marley Cláudio Mucanzo, por cometerem crimes de “extorsão” e “corrupção activa”, tipificados nas leis em vigor.

Os “extorsionistas” foram detidos em flagrante delito, quando efectuavam uma cobrança ilegal de 280 mil kwanzas ao gerente de um estabelecimento de venda a grosso de medicamentos denominado “Lua Comércio Geral Limitada”, localizado na rua Farmacia, no bairro Calemba 2, no município de Kilamba Kiaxi.

Os inspectores em causa, Marley Cláudio Mucazo e Maria António Diogo Luís, estavam devidamente credenciados e autorizados pela estrutura máxima da ANIESA, a realizar serviços inspectivos no município de Talatona, por um período de 15 dias. Mas optaram por desrespeitar a orientação dada para atormentar a direcção daquele estabelecimento comercial.

Mas antes, os inspectores do Departamento de Inspecção e Fiscalização da ANIESA efectuaram uma vistoria aturada no referido estabelecimento, tendo constatado supostas irregularidades. “Obrigaram o comerciante a pagar uma quantia de 280 mil kwanzas, como formas de evitar uma multa pesada e o consequente encerramento temporário do estabelecimento”, revelou uma fonte do SIC.

Em desacordo com a exigência dos inspectores, o comerciante simulou concordar com a dupla. Enquanto estes esperavam pelos valores, a vítima accionou o 119, o número de denúncias da IGAE que, prontamente, compareceu no local da ocorrência e já acompanhada dos Serviços de Investigação Criminal e procederam à detenção dos dois inspectores.

De acordo com a mesma fonte, os detidos estavam actuar de forma irregular uma vez que foram orientados, pela direcção da ANIESA, a actuar no município de Talatona, segundo a Ordem de Inspecção e Fiscalização n.º 019/ANIESA/2021, emitida com a data de hoje (25/01/2021), que os mesmos apresentaram aquando da detenção.

Não se sabe, de concreto, se os mesmos terão encontrados alguma irregularidade e omitiram no documento que pretendiam passar ao comerciante, mas o que ficou registado é que no final da suposta visita os dois inspectores efectuaram uma cobrança ilegal de 280 mil kwanzas e foram surpreendidos pela equipa do SIC e IGAE no momento em que recebiam, sem menor pudor, os valores.

Após a detenção, os dois inspectores, em prantos e lamentos, foram conduzidos no Departamento contra Crimes Económicos do Serviço de Investigação Criminal, sito no Kinaxixi, para prestarem declarações necessárias. Depois da interrogação os mesmos foram conduzidos nas celas do SIC/Luanda.

De realçar que, em Dezembro, o ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida, empossou os membros de direcção da Autoridade Nacional de Inspecção Económica e Segurança Alimentar (ANIESA), recém-nomeados pelo Chefe do Estado.

No cumprimento de poderes delegados pelo Presidente da República, João Lourenço, o ministro de Estado empossou o então director do INADEC, Diógenes de Oliveira, para o cargo de Inspector-geral, e Domingos António Mukumbi e Cristiano Francisco (este último responde pelo Departamento de Inspecção e Fiscalização) como inspectores-gerais adjuntos.

Criada através do Decreto Presidencial nº 267/20, de 16 de Outubro e publicado a 14 de Dezembro, a ANIESA é o órgão encarregue da inspecção das actividades económicas. Resulta da unificação dos serviços afins anteriormente desenvolvidos pelos sectores da Indústria, Comércio, Turismo, Ambiente, Transportes, Saúde, Agricultura e Pescas.

Fonte: Club-k

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *