Filhos de Kassule e Kamulingue mortos pela secreta angolana estão a ser “abandalhados”

Há seis anos as famílias de Alves Kamulingue e Isaias Kassule, assassinados por agentes da secreta angolana receberam casas no Zango 3, e uma indemnização de 4 milhões de kwanzas por cada família, na sequência do julgamento do caso, mas, passados estes anos, as famílias continuam sem receber os respectivos documentos das habitações.

Horácio Sove, tio de Alves Kamulingue, falou aos microfones da Católica, e mostrou a indignação das famílias em causa.

“Desde Março de 2014 que recebemos as casas, mas só recebemos as chaves em Setembro do mesmo ano, passados seis meses, e ainda assim, sem recebermos os documentos”, explicou, sublinhando que na altura estavam a trabalhar com o senhor Beato da PGR, e foi ele que os acompanhou até às residências.

Mais uma armadilha? Kassule e Kamulingue

“Temos medo, porque qualquer pessoa pode nos encontrar lá e perguntar pela documentação das residências, e o que vamos responder?”, questionou o familiar.

Horácio Sove questiona ainda a demora da entrega dos certificados de óbito de Alves e Kassule, e não sabe ao certo como e quando serão concretizadas as promessas de pagamento das propinas das crianças.

“Onde está o certificado de óbito? A pensão para as crianças, as escolas, mas eles sempre disseram que se responsabilizariam pelos estudos dos menores, mas nós é que estamos a assumir tudo, a comida a doença, mas eu sei que se o próprio pai, Alves Kamulingue estivesse em vida, faria alguma coisa, mas foi morto,  é como se fosse uma ratazana que estava a roer a roupa que estava no fundo da mala e acabou…de resto, Deus para todos e cada um por si”, lamentou.

“Bento Kangamba, Bento Bento e Filó participaram na morte de Kassule e Kamulingue”

Benedito Kassule, irmão de irmão de Sebastião Kassule, questiona o funcionamento da justiça angolana, para ele, o caso não está encerrado, já que alguns arguidos continuam soltos.

“Há arguidos que deveriam responder pelo Tribunal, e neste momento não respondem”. Questionado das pessoas a que se refere, Benedito disse tratar-se “do tenente general Filó, Bento Kangamba e o Bento Bento. Estas pessoas participaram na morte de Kassule e Kamulingue, só não entendemos por que que é que não ficam pelas barras do tribunal, isso é lamentável”.

Fonte: NMC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *